Carta da Saúde

Notícias do SUS Campinas

Centro de Convivência Bem Viver

Centro de Convivência Bem Viver: A música embalando a convivência de adultos, jovens e crianças

O Ray, Manoel Raymundo Pereira de Carvalho, responsável pelo Centro de Convivência Bem-Viver, no Distrito de Saúde Sul (próximo do Centro de Saúde São José), compartilha  sua experiência com a realização de diferentes grupos de convivência. Um deles é o Grupo Musical “Andorinhas do São José”. É um Grupo que se encontra com a Equipe da Saúde toda quinta-feira, às 15h. Um grupo de adultos, alguns já aproveitando a aposentadoria, alguns em tratamento da diabetes, alguns fazendo tratamento cardíaco, que estavam em casa, quase todos sem muita convivência social.

Mesmo com as férias eles continuaram se encontrando. São 18 integrantes, e em 2010, realizaram três apresentações musicais na cidade.  O outro é o Grupo de Musicalização, com Crianças, “Mulecada”, ou seja, a sigla de Musicalização, Linguagem e Educação para Crianças e Adolescentes com Dificuldade de Aprendizado. Este grupo é composto por crianças encaminhadas pelas escolas da Região à equipe de Saúde Mental do Centro de Saúde São José.

O terceiro é o Grupo Qualidade de Vida. Um grupo composto básicamente que acontece no CS São José. Ray respondeu por e-mail as perguntas da Reportagem. Com formação em Serviço Social, atua como articulador de Saúde Mental no Distrito Sul e é responsável por este Centro de Convivência. Confira a entrevista:

Carta da Saúde: Você poderia contar um pouco da história do Grupo Andorinhas do São José?

Manoel Raymundo Pereira de Carvalho, o Ray: Bem, respondendo à sua questão, os componentes deste Grupo foram  garimpados durante e após um evento que foi realizado no Centro de Saúde São José, em outubro de 2009, na comemoração do Dia do Idoso. Em seguida, continuamos a garimpagem no Grupo “Qualidade de Vida”, que acontece no Centro de Saúde São José, coordenado pela Enfermeira Célia Lima. Nosso início de  trabalho foi de identificar os usuários do Serviço,  pessoas idosas, que tocavam algum instrumento musical. Já de bate-pronto,  localizamos três sanfoneiros, um baterista, dois violonistas e dois pandeiristas. Estes cidadãos, com idade entre  65 e 89 anos, que moram na região do Centro de Saúde São José,  há trinta anos, tocavam na Noite Campineira: Botecos, boates  etc. Atualmente estes músicos  estão aposentados, e alguns portando alguma doença crônica, dentre elas, diabetes e hipertensão e  também alcoolismo, fora  a idade que já não os permite o  privilégio de alguns exageros. Quando os conhecemos, vários estavam sedentários, bem descuidados com suas enfermidades e com pouca convivência social, porém a participação no Grupo provocou  uma guinada de 360 graus em suas vidas. Hoje, além do nosso encontro semanal, às quintas-feiras, das quinze às dezessete horas, realizam encontros entre eles e seus familiares nos finais de semana. Eu gostaria de citar também a história do  nome do Grupo, pois pra nós tem um significado muito importante a criação do mesmo. O nome,  Grupo Musical “Andorinhas do São José” é resultado de várias conversas entre os participantes. Havia dois nomes, no início, como sugestão para nomear o grupo: Grupo Musical Andorinhas e Grupo Musical São José. O músico que sugeriu Andorinhas,  justificou que as andorinhas sempre estão agrupadas, se fazendo companhia. O que sugeriu São José, justificou que ele estava acamado quando o convidamos para o grupo, pois hoje  está com boa saúde e isto se deve ao Centro de Saúde São José. Enfim, numa eleição para o nome, foi proposta uma junção dos dois nomes e resultou no que é hoje: Andorinhas do São José. Para início de conversa é isto. Nos reunimos semanalmente.

Carta – E o Mulecada, como ele surgiu e como ele é?

Ray: O Mulecada é um projeto que se originou de uma conversa que tivemos, inicialmente com a Enfermeira Célia Lima que também é Professora de Música. Nesta conversa explicitamos nossas preocupações com relação às crianças, com problemas escolares e que, independentemente de sua situação sócio-emocional-comportamental-educacional, são encaminhadas para tratamento em Saúde Mental.  Alguns destes casos, observamos que não são pertinentes à Saúde Mental, mas sim, que necessitam de bons estímulos, orientações e aconselhamentos familiares.  Levamos estas nossas questões à Equipe de Saúde Mental e à Coordenação do Centro de Saúde São José, nos disponibilizando para escrever e executarmos um projeto de Musicalização com tais crianças. A idéia da musicalização foi com objetivo de estimular a sociabilização, a convivência grupal, a harmonia, a musicalidade, a concentração, a atenção e respeito além de  investir na capacidade de criação expontaneidade das crianças.
Temos um fluxo de operacionalização: A equipe da Mental atende as crianças encaminhadas e  discute conosco. Em seguida, com um número máximo de dez crianças, reunimos com seus familiares ou responsáveis, preenchemos um cadastro e os responsáveis assinam termo de  compromisso de participação das crianças no Grupo. O Grupo tem tempo de duração  determinado, com encontros semanais de uma hora.  No início do programa para organizarmos o processo de trabalho, temos reuniões junto aos responsáveis e os participantes e a Equipe da Saúde Mental. No final é a mesma dinâmica de reuniões, mas com intuito de avaliar os resultados.  É mister afirmar que, a equipe de saúde mental está disponível para as eventuais intervenções que se fizerem necessárias.

Carta da Saúde: E você poderia nos contar como é o Grupo Qualidade de Vida?

Ray: Esse grupo, ele começou com pacientes hipertensos, e diabéticos que era mais para ter um controle. Ele começou sendo semanal e ultimamente ele tornou-se um grupo de homens e de uma faixa etária de cinqüenta anos. O nome tornou-se qualidade de vida porque se esgotou o tema de diabete e hipertensão e o grupo foi ampliando. Hoje o grupo se reúne quinzenalmente no Centro de Saúde do Jardim São José e os outros assuntos tratados são variados. Eles sugerem, ou a gente mesmo vai sugerindo. Este é o Grupo de Qualidade de Vida, um grupo que coordenador por uma enfermeira, que se chama Célia Lima, do Centro de Saúde São José e quando eu participo da realização deste grupo, o Qualidade de Vida, é para trabalhar algum tema. O Grupo Qualidade de Vida acontece no Centro de Saúde São José. Este grupo tem este perfil de reunir mais homens, apenas com algumas mulheres participando e que são as esposas deles. Mas noventa e nove por cento é homem.

Dê sua opinião: comunica.smscampinas@gmail.com

Single Post Navigation

One thought on “Centro de Convivência Bem Viver

  1. Pingback: Editorial « Carta da Saúde

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: